Aspartame, o Adoçante Letal

Tempos atrás, quando veio a público acobertado pelo adjetivo dietético, esse sintético de laboratório, com o aval dos apologistas das drogas, foi apresentado à opinião pública como a panacéia capaz de solucionar todos os problemas das dietas.

Quem afirma que adoçantes à base de sacarina, ciclamato e aspartame são inofensivos à saúde é ingênuo, ignorante ou age deliberadamente escamoteando a verdade. É no mínimo perverso que em nome do interesse puramente econômico, alguém capaz de forjar a opinião pública possa minimizar, através dos meios de comunicação de massa e com meros artifícios de retórica, a possibilidade de pessoas desavisadas contraírem doenças pela intoxicação química de seus produtos.

A Dra Mancy Marckle, médica, que falou recentemente na Conferência Mundial do Meio Ambiente sobre Aspartame, assim se expressou em artigo publicado após o evento. No curso da Conferência foi anunciado que havia uma epidemia de esclerose múltipla e lúpus sistêmico e a comunidade médica não sabia que toxina estava causando um aumento assustador dessas doenças nos EUA. A pesquisadora se pronunciou afirmando que, quando a temperatura do Aspartame excede 30° C, o metanol nele contido se converte em formaldeído e daí para ácido fórmico, provocando acidose metabólica. Ácido fórmico é o veneno de formigas. A toxidade do metanol ocasiona sintomas idênticos a esclerose múltipla e indivíduos recebem diagnósticos equivocados dessa doença, que não constitui risco imediato de morte, exceto quando causada pela ingestão desse álcool.

Quanto ao lúpus sistêmico constata-se que é quase tão grave quanto à esclerose, especialmente entre usuários de Diet Coke e Diet Pepsi. As vítimas ignoram as raízes da enfermidade, uma vez que continuam ingerindo esses refrigerantes em larga escala. A Dra Marckle sentenciou: “se alguém estiver consumindo Aspartame e aparecer sintomas como fibromialgia, espasmos, dores, formigamento nas pernas, câimbras, vertigem, tontura, dor de cabeça, zumbido no ouvido, dores articulares, depressão, crises de ansiedade, fala atrapalhada, visão borrada e perda de memória, provavelmente tem a doença da droga”.

Há alguns anos, houve audiências no congresso dos EUA incluindo Aspartame em 100 diferentes produtos. Hoje, existem mais de 5000 produtos contaminados com esse veneno.

À época da primeira audiência, pessoas já estavam ficando cegas e surdas. O metanol no Aspartame se converte em formaldeído na retina. Formaldeído é do mesmo gênero das drogas chamadas arsênico e cianeto. Venenos mortais, que estão ceifando vidas lentamente e causando doenças neurológicas. Aspartame é especialmente letal para diabéticos. Mantém a glicose descontrolada causando, no mais das vezes, hipoglicemia e coma.

Conferencistas do Colégio Americano de Medicina admitiram que não sabem a origem das crises de saúde que acometem, hoje, o povo estadunidense. Segundo a Dra Mancy, a fenilalanina do Aspartame diminui o limiar para a convulsão e depleta a serotonina, causando psicose maníaco-depressiva, ataque de pânico, fúria e violência. Esse produto químico é capaz de causar hipertensão arterial. Há, segundo a Dra Mancy, 92 sintomas causados pelo Aspartame, do coma à morte. A maioria neurológicos, porque a droga destrói o sistema nervoso. Muda a composição química e os níveis de dopamina no cérebro.

Mel de abelha, açúcar mascavo, melado de cana e Stévia, únicos adoçantes naturais, são os mais recomendáveis.

Fica evidenciada que a motivação criminosa de qualquer espécie é, antes de tudo, a doença. A banalização da criminalidade e violência verificadas atualmente deve-se ao fato de estarmos todos adoecidos precoce e artificialmente.

Fonte: M. Chaves - Terapeuta Naturista - Especialização em Hidroterapia, Fitoterapia, Trofoterapia e Geoterapia.
Colaboração: Marvel Stigliani

©  2003 - Nova Era