Prisão de ventre: fuja desse transtorno

Há pessoas que vão ao banheiro três vezes ao dia. Outras, duas. E há também quem vá ao banheiro três vezes por semana. E todos podem ser considerados saudáveis, se esta for a freqüência pessoal normal de eliminação. Contudo, se você demora mais de três dias para eliminar as fezes, então é bom procurar solução: você está com prisão de ventre.

Mas o que é prisão de ventre? O Dr. Thomas J. Izquierdo, de Corona, Nova York, define a prisão de ventre como “uma dificuldade, por vezes dolorosa, para eliminar as fezes. É um mal que atinge crianças e adultos”.

Prisão de ventre não é doença, mas pode ser considerado um sintoma, como a febre. Tem causas emocionais? É provocada por algum tipo de alimento? Escrevendo para a revista Médico de Família, uma revista de língua castelhana editada nos Estados Unidos, o gastroenterologista indica algumas causas do problema.

1. Intestino irritado. Chamado também de cólon espástico. Podem surgir espasmos do cólon que atrasam a velocidade da eliminação dos intestinos.

2. Prisão mental. Por saberem pouco sobre prisão de ventre, alguns imaginam estar sofrendo com esse mal, não sabendo a diferença entre o normal e o anormal. É necessário informar-se.

3. Hábitos intestinais inadequados. Quando se reprime o desejo de ir ao vaso sanitário, se está contribuindo para desenvolver prisão de ventre progressiva. Adiar o momento de ir ao banheiro por estar ocupado ou por qualquer outra razão faz desaparecer a necessidade e abre-se caminho para a prisão de ventre.

4. Uso de laxantes. O uso desnecessário de laxantes acaba formando hábito de consumo. Só se irá ao banheiro quando se toma laxante. E o hábito exige doses cada vez maiores.

5. Distúrbios hormonais. Um exemplo pode ser dado por glândulas tireóides não muito ativas.

6. Gravidez. Nesse caso a ocorrência é comum. Acredita-se que a prisão de ventre é provocada pela pressão exercida pelo útero sobre o intestino. E há, também, as mudanças hormonais.

7. Fístulas anais. Quando há fissuras anais pode haver um espasmo do esfíncter que retarda o movimento intestinal.

Alimentação

Alimentos ricos em gordura animal, açúcar refinado e pobres em fibras estão entre as maiores causas de prisão de ventre. Exemplos destes alimentos são carnes, produtos lácteos, ovos, açúcar e farinha refinados que se encontram em bolos e produtos de pastelaria.

As fibras, essenciais para manter o movimento intestinal, encontram-se em vegatais, frutas e grãos integrais.

Outras causas

Viagens prolongadas, horários das refeições, dieta e consumo de água podem influir sobre a prisão de ventre. Algumas enfermidades podem ser associadas à prisão de ventre e produzem efeito negativo sobre os tecidos. É o caso de lupus e esclerodermia. Há também condições neurológicas ou musculares que influem sobre a prisão de ventre, como por exemplo, esclerose múltipla, doença de Parkinson e ataques apopléticos. Perda de sais através de rins ou vômito, ou diarréia favorecem a prisão de ventre.

Tumores que pressionem a medula espinal podem, também, provocar prisão de ventre.

Medicamentos que prejudicam

. Analgésicos, especialmente os narcóticos;

. Antiácidos que contenham alumínio;

. Drogas antiespasmódicas;

. Drogas antidepressivas;

. Tranqüilizantes.

. Suplementos de ferro.

. Anticonvulsivos para epilepsia

Prisão de ventre. É grave?

Não se pode classificar prisão de ventre como condição grave, mas há complicações incômodas. Uma delas é o desenvolvimento de hemorróidas. Com o esforço repetido para evacuar, pequena quantidade de tecido intestinal pode vir pela abertura do reto, o que é conhecido como prolapso retal, e provoca secreção de muco. No caso de crianças, o muco pode ser sintoma de fibrose cística.

Ameixas também ajudam

Além dos alimentos recomendados de modo geral receita interessante é comer ameixas secas em abundância. Você pode deixar as ameixas de molho algumas horas, ou de um dia para o outro. A seguir, coma e, se possível, beba também o caldo.

É possível aumentar aumentar o consumo de fibras adquirindo fibras de trigo à venda em todas as casas de produtos naturais e na maioria dos supermercados. Habitue-se a usar fibras de trigo na sopa, na massa do pão, no caldo de feijão e em outros alimentos que você desejar.

©  2003 - Nova Era